sábado, 18 de janeiro de 2014

cordialidade

o frei se consente
um somatório de violência mortal,
intolerância, prepotência e ganância.

o que cumpria fazer, em essência,
era assegurar aquele mínimo indispensável,
sem amor de ninguém, sem família,
sem sexo que não fosse a masturbação,
sem nenhuma identificação possível.

até então,
o que temos são gestos vãos, de curta duração,
incapazes de conter por si os problemas.

o importante, aqui, é
a predominância que
marca e caracteriza
cada conflito concreto.

a feia verdade:
a cordialidade.


remix de O Povo Brasileiro, de Darcy Ribeiro.